Santo do dia

São Bernardo de Claraval

20 de Agosto de 2018

O poder de atração deste santo foi extraordinário. Nascido em 1090 no Castelo de Fontaine, próximo de Dijon/França, o terceiro de seis irmãos, ainda muito jovem decidiu fazer-se monge em Cister. Tescelino, o bom pai de Bernardo, ficou consternado: um após outro, os filhos abandonaram o conforto do castelo para seguir Bernardo: Guido, o primogênito, deixou até a esposa, que também se fez monja.

Nissardo, o caçula, também despediu-se do mundo, seguido pela única irmã, Umbelina e pelo tio Gaudry, que despiu a pesada armadura para vestir o hábito branco. Por ultimo, também Tescelino pediu para entrar no mosteiro onde estava praticamente toda a família. Um êxodo tão completo como este não se verificou talvez nunca na história da Igreja. Diz a lenda, provavelmente verdade histórica, que Bernardo sempre dizia com muito amor, passando por uma estátua de Nossa Senhora: AVE, MARIA! até que um dia Maria respondeu: AVE, BERNARDO!

De Claraval, Bernardo expandia a sua luz sobre toda a cristandade. Embora frágil e nunca de ótima saúde, percorreu meia Europa, orientou concílios, pregou uma cruzada à Terra Santa. E depois de labioriosos jornadas, retirava-se à cela para escrever obras cheias de otimismo e doçura, como o “Tratado do Amor de Deus” e o “Comentário ao Cântico dos Cânticos”.

Nas suas declarações de amor a Maria, tornou-se até autor e compositor do belíssimo hino “Ave Maris Stella”. Compôs a letra e a música. É sua a invocação: “Ó clemente, ó piedosa, ó doce Virgem Maria!”, na oração da Salve-Rainha. Poucos instantes antes da morte, acontecida a 20 de agosto de 1153, assim consolava os seus monges: “Não sei a quem escutar, se ao amor dos meus filhos que me querem reter aqui em baixo, ou o amor do meu Deus que me atrai lá para cima.”

Foi chamado por Pio XII “o último dos Padres da Igreja, e não o menor”.

São Bernardo de Claraval, rogai por nós!