Santo do dia

Nossa Senhora do Carmo

16 de Julho de 2018

A Ordem dos Carmelitas, talvez a mais antiga na história da Igreja, considera o profeta Elias como o seu patriarca e modelo. Tem um grande amor: o culto à Maria. Cardeal Piazza, Carmelita, diz: “O Carmo existe para Maria e Maria é tudo para o Carmelo, na sua origem e na história, na
sua vida de lutas e de triunfos, na sua vida interior e espiritual. Elias e Maria estão unidos numa narração que tem sabor de lenda.”

Diz o Livro das Instituições dos primeiros monges: “Em lembrança da visão que mostrou ao profeta Elias a vinda desta Virgem sob a figura de uma pequena nuvem que saía da terra e se dirigia para o Carmelo, os monges, no ano 93 da Encarnação do Filho de Deus, destruíram sua antiga casa e construíram uma capela sobre o monte Carmelo, perto da fonte de Elias, em honra da Virgem voltada a Deus.”

Expulsos pelos sarracenos no século XIII, os monges, entretanto, receberam do Patriarca de Jerusalém, santo Alberto, uma regra aprovada em 1226. Um episódio em particular sensibilizou os devotos: “Os irmãos suplicavam humildemente à Maria que os livrasse das insídias infernais. A um deles, Simão Stock, enquanto assim rezava, a Mão de Deus apareceu acompanhada de uma multidão de anjos, segurando nas mãos o escapulário da ordem e lhe disse: “Eis o privilégio que dou a ti e a todos os filhos do Carmelo; todo o que for revestido deste hábito será salvo”. O Papa Pio XII convidou a “colocar em primeiro lugar, entre as devoções marianas, o escapulário que está ao alcance de todos”. Entendido como veste mariana, esse é, de fato, um ótimo símbolo da proteção da Mãe celeste, enquanto sacramental extrai o seu valor das orações da Igreja e da confiança e amor daqueles que o usam.

Nossa Senhora do Carmo, rogai por nós!